NetBet Cassino

Prime Time
seg - sex

Apresentação

Ao vivo
A seguir

    Falta de coordenação aumentou desigualdade vacinal no Brasil, diz pesquisa

    Segundo estudo da Oxfam Brasil, o alto percentual de imunização ofusca omissões governamentais em resposta à pandemia Vacinação contra a Covid-19
    Vacinação contra a Covid-19 Tânia Rêgo/Agência Brasil

    NetBet Cassino:Beatriz Gabrieleda CNN*

    em São Paulo
    Ouvir notícia

    Um relatório divulgado nesta quarta-feira (23) pela Oxfam aponta que o Brasil, apesar de ter o 2º maior número de casos de Covid-19 nas Américas, é o 15º em cobertura vacinal primária. Hoje, a nação tem mais 35 milhões de casos, atrás apenas dos Estados Unidos, que contabilizam 98 milhões de infecções.

    O documento, intitulado “Desigualdade no acesso a vacinas contra a Covid-19 no Brasil”, cita dados do Ministério da Saúde para chegar à conclusão.

    A pasta aponta que, em 11 de outubro de 2022, a média de cobertura vacinal primária contra a Covid-19 na população de três anos ou mais era de 81,5%. No entanto, segundo o relatório, a variação no número de imunizados pode ser muito significativa dependendo do estado.Em Roraima, a média foi de 57,5%, enquanto, em São Paulo, atingiu 91%. O estudo mostra que somente 16% dos municípios brasileiros atingiram cobertura vacinal acima de 80%. Outro dado divulgado foi sobre a cobertura vacinal primária por gênero. Em todos os estados brasileiros, as mulheres foram mais vacinadas que os homens. Segundo o estudo, não foram encontrados dados sobre a imunização da população LGBTQIA+.

    A distribuição da vacina contra a Covid-19 mostrou grandes variações e impossibilitou as análises de cobertura vacinal por raça/cor da pele. Segundo o relatório, a ausência de registro sistematizado nesse campo impede o aprofundamento do debate sobre NetBet Cassino:desigualdades raciais no acesso à vacina no país.

    “Ao inviabilizar grupos raciais e impedir que sua condição de vulnerabilidade seja levada em conta no desempenho e implementação de políticas públicas, os efeitos do racismo estrutural e institucional comprometem a análise da desigualdade racial no acesso à vacina contra a covid-19″, diz a pesquisa.Sobre isso, o relatório utiliza dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), que mostram que, em maio de 2021, os países ricos — que possuem 15% da população mundial — detinham 45% das vacinas, enquanto os países de baixa e média renda — que têm quase metade da população — tinham acesso a 17% dos imunizantes.Em todo o mundo, enquanto as primeiras vacinas começaram a chegar ao mercado no final de 2020, o governo brasileiro optou por investir em apenas uma marca, deixando de lado a CoronaVac, que vinha sendo pesquisada pelo Instituo Butantan em parceria com a chinesa Sinovac.

    Falta de coordenação

    Baseado em depoimentos e entrevistas, o relatório aponta que não houve diálogo entre representantes da sociedade e governo federal, gerando atraso e equívocos na definição dos grupos prioritários.Diante da emergência de imunizar a população, diversas entidades subnacionais, como estados e municípios, tiveram que se mobilizar para negociar vacinas diretamente com as farmacêuticas, mas a disputa do governo federal com os países fornecedores dificultou a atrasou a entrega de vacina para todos.

    *Supervisão de André Rosa, da CNN

    Mais Recentes da CNN

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google