NetBet Cassino

Prime Time
seg - sex

Apresentação

Ao vivo
A seguir

    Parlamento Europeu declara a Rússia como “estado patrocinador do terrorismo”

    O Parlamento pediu para que a União Europeia e seus estados-membro "isolem ainda mais" a Rússia internacionalmente Parlamento europeu após discurso do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky
    Parlamento europeu após discurso do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky Foto: EBS+/Reuters

    NetBet Cassino:Chris LiakosEve Brennanda CNN

    Ouvir notícia

    Em um ato simbólico nesta quarta-feira (23), os legisladores do NetBet Cassino:Parlamento Europeu reconheceram a Rússia “como um estado patrocinador do terrorismo e como um estado que usa meios de terrorismo”, pedindo à União Europeia “que isole ainda mais a Rússia internacionalmente”.

    O Parlamento da UE tomou a decisão à luz dos “ataques deliberados e atrocidades cometidas pelas forças russas e seus representantes contra civis na Ucrânia, a destruição de infraestrutura civil e outras violações graves do direito internacional e humanitário”, que “se somam a atos de terror e constituem crimes de guerra”, de acordo com um comunicado de imprensa.“Como a UE atualmente não pode designar oficialmente estados como patrocinadores do terrorismo, o Parlamento pede à UE e a seus estados-membros que estabeleçam a estrutura legal adequada e considerem adicionar a Rússia a essa lista”, disse o comunicado. A resolução não vinculativa foi aprovada com 494 votos a favor, 58 contra e 44 abstenções, acrescentou o comunicado de imprensa.O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, saudou a decisão. “A Rússia deve ser isolada em todos os níveis e responsabilizada para acabar com sua política de terrorismo de longa data na Ucrânia e em todo o mundo”, tuitou.O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, também agradeceu no Twitter ao Parlamento Europeu “pela postura clara”.

    A CNN procurou as autoridades russas para comentar.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.
    versão original
    Mais Recentes da CNN

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google