NetBet Cassino

Prime Time
seg - sex

Apresentação

Ao vivo
A seguir

    EUA: Departamento de Justiça busca testemunho de ex-vice-presidente Mike Pence

    Declaração do vice-presidente de Donald Trump seria para investigação criminal de ataques ao Capitólio dos EUA O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence
    O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence Foto: Twitter/Reprodução

    NetBet Cassino:Evan PerezNetBet Cassino:Katelyn PolantzZachary Cohenda CNN

    Ouvir notícia
    Promotores do Departamento de Justiça dos Estados Unidos procuraram representantes do ex-vice-presidente Mike Pence para obter seu testemunho na investigação criminal sobre os esforços do ex-presidente Donald Trump, e aliados, para impedir a transferência de poder após a eleição de 2020, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.A equipe de Pence indicou que o ex-vice-presidente está aberto a discutir um possível acordo com o Departamento de Justiça para fornecer algum testemunho, disse uma fonte.O New York Times relatou pela primeira vez o contato com Pence.O pedido ocorreu antes de o Departamento de Justiça nomear um advogado especial para supervisionar duas investigações relacionadas a Trump, incluindo a investigação relacionada a 6 de janeiro de 2021, quando houve o ataque ao Capitólio, e outra sobre o suposto manuseio incorreto de materiais classificados encontrados na casa e resort de Trump em Palm Beach, na Flórida. Não está claro como a nomeação do conselheiro especial Jack Smith afetará as discussões entre o Departamento de Justiça e a equipe de Pence.

    O Departamento de Justiça se recusou a comentar à CNN, assim como um representante de Pence.

    Pence publicou recentemente um livro de memórias que descrevia algumas de suas interações com Trump enquanto o ex-presidente tentava anular os resultados das eleições de 2020. A publicação do livro levantou a expectativa de que o Departamento de Justiça provavelmente buscaria informações sobre essas interações como parte da investigação criminal.Pence rejeitou um pedido de entrevista do comitê seleto da Câmara que investigava 6 de janeiro, mas permitiu que os principais assessores prestassem depoimento na investigação da Câmara, bem como na investigação criminal do Departamento de Justiça.

    A CNN informou anteriormente que o Departamento de Justiça obteve com sucesso respostas dos principais conselheiros de Pence, Greg Jacob e Marc Short, em vitórias judiciais significativas que podem tornar provável que a investigação criminal chegue mais longe no círculo íntimo de Trump.

    Entre um grande grupo de ex-altos funcionários de Trump, Jacob tem sido uma das vozes mais contundentes que condenam as ações do então presidente após a eleição, especialmente em relação à pressão que ele e seu advogado eleitoral, John Eastman, tentaram colocar em Pence para bloquear a certificação do voto presidencial pelo Congresso.Em suas memórias, o ex-vice-presidente escreveu que Trump o alertou dias antes do ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos EUA, de que inspiraria o ódio de centenas de milhares de pessoas porque era “honesto demais” para tentar derrubar os resultados das eleições de 2020.Dizendo que Trump foi “imprudente” com seu tweet atacando seu vice-presidente naquele dia, Pence criticou o ex-presidente sobre os eventos em torno do ataque. Ele disse a Trump logo depois, ele escreveu, que estava com raiva e que o que viu naquele dia o enfureceu.Ainda assim, Pence disse no início deste mês que o Congresso “não tem direito” a seu testemunho e que estava “fechando a porta” ao fornecê-lo ao comitê seleto da Câmara – provocando críticas rápidas dos dois principais membros do comitê.“O Comitê Seleto procedeu com respeito e responsabilidade em nosso envolvimento com o vice-presidente Pence, por isso é decepcionante que ele esteja deturpando a natureza de nossa investigação ao dar entrevistas para promover seu novo livro”, disseram os representantes Bennie Thompson e Liz Cheney, que serviram como presidente e vice-presidente do painel, em uma declaração conjunta na época.
    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.
    versão original
    Mais Recentes da CNN

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google

    google