NetBet Cassino

China bate recorde de casos de Covid-19 em meio a críticas contra restrições

País registrou 31.444 infecções em 24 horas; população reclama de abordagem "tolerância zero", com lockdowns e testagens obrigatórias em massa População se enfileira por testes para a Covid-19 em centro de testes, em Shenzhen, China
População se enfileira por testes para a Covid-19 em centro de testes, em Shenzhen, China 21/07/2022 REUTERS/David Kirton

NetBet Cassino:Kathleen Magramoescritório de Pequimda CNN

Ouvir notícia

A China registrou, nesta quinta-feira (24), um número recorde de infecções diárias por NetBet Cassino:Covid-19, já que um aumento nacional de casos aumenta a pressão sobre a abordagem cada vez mais impopular de tolerância zero do país ao vírus.

A Comissão Nacional de Saúde (NHC) registrou 31.444 casos transmitidos localmente nesta quarta-feira – superando o pico anterior de 29.317 registrado em 13 de abril durante os meses deNetBet Cassino: lockdown de Xangai.

O aumento está sendo alimentado por surtos em várias cidades e ocorre apesar da recusa das autoridades em encerrar os rígidos controles de infecção, mesmo diante de uma reação crescente – e sem precedentes – contra sua abordagem linha-dura de lockdowns, quarentenas e testagens obrigatórias em massa incessantes. Enquanto isso, um pequeno número de mortes relacionadas à Covid adicionou mais pressão à situação. Pequim registrou nesta quarta-feira sua quarta morte relacionada à Covid desde o fim de semana passado, juntamente com 1.648 infecções locais – seu terceiro dia consecutivo de mais de 1.000 casos locais.Nesta quinta-feira, as autoridades da cidade disseram que estavam convertendo um grande centro de exposições em um hospital improvisado para quarentena e tratamento de pacientes com Covid.Esse foi apenas o sinal mais recente de que a capital aumentou as restrições da Covid.No início desta semana, escolas em vários distritos mudaram as aulas online, enquanto Chaoyang – epicentro do surto da cidade e lar de muitas empresas e embaixadas internacionais – pediu aos residentes que ficassem em casa e fechou restaurantes, academias e salões de beleza.

Dissidência crescente

A China, a última grande economia do mundo ainda aplicando medidas estritas de Covid-19, anunciou uma flexibilização limitada da política no início deste mês, no que alguns observadores viram como um sinal de que o governo reconhece suas deficiências.Ele desencorajou testes em massa desnecessários e classificação excessivamente zelosa de áreas restritas de “alto risco”, eliminou os requisitos de quarentena para contatos próximos secundários e reduziu a quarentena para contatos próximos e chegadas internacionais.Após o anúncio, várias cidades chinesas cancelaram testes em massa de Covid, mas ainda há uma série estonteante de restrições para os residentes atravessarem – especialmente quando ocorrem surtos.Os sinais de que as pessoas estão fartas estão se tornando cada vez mais dramáticos e raros protestos irromperam em um país onde as autoridades tradicionalmente reprimem qualquer sinal de dissidência.Os protestos começaram esta semana na maior fábrica de montagem de iPhones do mundo, na cidade de Zhengzhou. Vídeos nas mídias sociais mostraram trabalhadores confrontando a polícia de choque depois que as autoridades tentaram fechar as instalações após um surto.Isso ocorre uma semana depois que alguns residentes no centro industrial de Guangzhou, no sul, se revoltaram contra um lockdown prolongado, derrubando barreiras e marchando pelas ruas.Alimentando a raiva dos cidadãos presos em bloqueios estão problemas recorrentes, como não conseguir acesso a cuidados médicos imediatos ou garantir alimentos e suprimentos suficientes, ou perder trabalho e renda.

* Michelle Toh e Nectar Gan, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.
versão original
Mais Recentes da CNN

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google

google